/ NEWSLETTER

Atividades complementares na rotina

Foto de Fabian Møller, via Unsplash

Este texto foi originalmente publicado na Trilha de Valor #17: Desafios, que foi enviada no dia 15 de dezembro de 2021. Para receber a newsletter na sua caixa de entrada, inscreva-se aqui.

No meio da semana, minha atividade central é trabalhar e, no final de semana, gosto de focar em arrumar a casa e descansar. Simples assim. Mas, depois de fazer 30 anos, entrei na neura de querer fazer alguma coisa pela minha saúde.

Dando um pouco de contexto sobre mim, posso dizer que sou extremamente preguiçosa, mas, quando quero fazer algo, foco bastante, porém perco o interesse rapidamente. Esse é o meu resumo pandêmico. Nos últimos meses, estava somente em casa, comendo delivery todos os dias e sentindo um cansaço absurdo desde a hora em que acordava. Não que eu fosse super diferente antes da pandemia, mas esses são fatores que contribuíram muito para o perfil que descrevi aqui.

Voltando ao assunto, fiz 30 anos e decidi mudar. Quase que de uma forma obrigatória, já que idades em dezenas nos fazem pensar sobre o que fizemos da vida e o que pretendemos fazer adiante. Não vou mentir que foi só isso. Um dia caí doente e notei que fiquei muito imprestável, sentindo que a recuperação estava bem mais lenta do que eu me lembrava. Mas nada melhor do que um susto para fazer a gente mudar.

Na edição anterior, descrevi a minha rotina perfeita em termo de horários. Mas junto desse planejamento, também fiz algumas mudanças importantes. A primeira delas foi na minha alimentação. Não abandonei o delivery completamente, mas agora voltei a ir no supermercado e na feira e a cozinhar a maioria das refeições durante a semana. Assim, o delivery virou exceção e não regra. Essa mudança foi relativamente fácil, porque gosto de cozinhar e tem muita receita boa que também é saudável.

A alocação de tempo para descansar também foi uma mudança importante. Além das duas horas no final do dia em que posso fazer o que eu quiser (geralmente ver TV e escrever), também encaixo o descanso em vários momentos do dia. Seja depois de uma longa reunião, depois do almoço ou até mesmo quando finalizo o meu dia de trabalho. Sem esses momentos para parar e respirar, o dia fica muito mais cansativo. Também começo todas as quintas-feiras de trabalho com uma meditação coletiva e pretendo estender esse hábito para mais dias da semana.

Dentre todas as mudanças, a que vou descrever agora é a que mais me surpreendeu e que foi objeto de muita discussão na terapia. No dia 20 de novembro de 2021 eu e o meu marido decidimos sair para caminhar. Nós dois estávamos muito sedentários e decidimos aproveitar o sábado de sol para dar uma passeada. Depois de 30 minutos, voltamos para casa revigorados e sentindo uma energia que há tempos não sentíamos.

Depois do banho, erámos apenas um casal que parecia ter sido espancado sentado no sofá. Mesmo assim, a conclusão foi de que o exercício nos revigorou e saímos novamente na segunda-feira. Depois de encontrar um ritmo, estou saindo para caminhar 3 vezes por semana e já consigo até mesmo correr um trecho. Quem me conhece sabe que correr não é algo que conseguia fazer sem precisar de atendimento médico depois de 3 metros, mas estou conseguindo. Nem eu consigo acreditar para falar a verdade.

Mas o ponto aqui é inseri vários hábitos saudáveis e importantes na minha vida porque eu entendi que era o melhor para mim. Eu poderia ter enrolado e dito que dá muito trabalho acordar cedo, me vestir, sair para caminhar, voltar para casa e depois tomar banho, tudo isso antes das 9h. Mas como eu só comecei a fazer parece que não foi difícil. E isso me faz pensar a respeito de várias coisas que coloco vários empecilhos e digo que daria muito trabalho para fazer. Então me agarro nessa desculpa e nunca faço porque me convenci de que não conseguiria.

Sei que ficou parecendo um pouco de papo de coach charlatão, mas quando a gente consegue fazer é muito legal. Dá vontade de sair contando para todo mundo.

E o que isso tem a ver com organização pessoal? Para mim, tem tudo a ver. Estou me sentindo mais disposta, consigo ter mais foco e assim sinto que não desperdiço mais os meus dias. O que vários modelos de planner não conseguiram resolver, alimentação saudável, descanso, um pouco de sol e exercício resolveram.

Para deixar claro, estou apenas compartilhando a minha experiência pessoal. Para iniciar qualquer dieta ou atividade física, o ideal é ter acompanhamento médico.



ingridmachado

Ingrid Machado

Engenheira de computação, especialista em engenharia de software.
Autora deste querido blog.

Mais posts